[WebSérie] Sombras do Passado - Capítulo 05



Medo do novo


“Por medo de inovar perdemos grandes oportunidades, perdemos até mesmo o que já consolidamos”.

<<Brasil>>
Desde que recebera a notícia da concorrente que teria Verônica aparentava estar calma, destemida, nem um pouco preocupada, mas em seu interior o caos estava formado. A veterana estilista conhecia bem o potencial da Button Modas, mas não imaginava o que estava por vir.
Um novo dia começava e a senhora Morgan pressionava sua diretoria a participar de uma reunião excepcional, todos puderam perceber sua apreensão.
— Bom, o motivo pelo qual os chamei aqui é a concorrência. Como sabemos a Button Modas anunciou que invadirá o nosso território, estamos preparados para a guerra? Eu acho que não.
— Verônica, é você mesmo? — Egídio, diretor de marketing da empresa, espantou-se com a atitude da patroa —. Medo da concorrência?
— Pare de ironias, meu caro, precisamos pensar em estratégias para barrarmos o inimigo, dessa vez estaremos lidando com o desconhecido.
— A estratégia é simples, ficarmos parados — o diretor sugeriu.
— Parados? O que quer dizer?
— Devemos continuar com os nossos moldes, com o padrão dos nossos produtos, não precisamos nos descabelar pensando em novidades. As pessoas respiram a nossa marca, já se apegaram ao que oferecemos, vamos mostrar a essa empresinha de fundo de quintal a nossa superioridade!
— Eu discordo — Jonas, que era um dos consultores de moda da empresa, fez sua oposição —. Não se trata de uma empresa qualquer, se trata de uma potência internacional que busca a constante inovação. Nós estamos parados no tempo, desde que meus tios se foram poucas foram as mudanças, o povo brasileiro nunca viu o novo e esse pode ser o maior motivo pelo qual nossa marca é maioral no país. Todos os concorrentes que tivemos foram imitadores baratos, mas agora teremos que enfrentar a originalidade. Inovação é a saída.
Analisando o que ouvira do filho Verônica deu o seu parecer:
— Também acho que seja essa a saída.
— Não, vocês não podem estar falando sério — Egídio não mudaria de idéia tão facilmente, na verdade ele se achava o manda-chuva, sua real vontade era ter o domínio da empresa em suas mãos —. Inovar é andar em terras desconhecidas repletas de armadilhas, um passo em falso e a consequência é o fim. Verônica, vai mesmo arriscar sair da zona de conforto por algo incerto?
— Meu filho pode ter razão, as novidades da Button Modas podem atrair o nosso público.
— Você está agindo erroneamente. Aqui você não tem filhos, têm profissionais e é assim que deve ouvir a todos nós.
— Egídio, continuar na zona de conforto que será errôneo. Já estudou a nova empresa? Teremos altos profissionais competindo contra nós, devemos arriscar sem dúvidas! — Jonas tentou convencer o colega.
— É cedo demais para pensar nessas coisas — o homem era irredutível —. Antes de sair disparando tiros por aí vamos esperar a guerra começar, isso é agir certo.
Verônica nunca mexeu nos padrões da Morgan Modas porque a maneira como o irmão a construiu deu-lhe sucesso, talvez aquela fórmula fosse eterna. Dando atenção ao que um dos seus diretores disse, ela tomou sua decisão:
— Continuaremos como estamos. Se for necessário pensamos no que faremos.
— Mas, mãe... Poderá ser tarde demais...
— Jonas, já está decidido. Nunca alteramos nossa marca, não quero atitudes incertas nos prejudicando.
O rapaz ficou descontente, sempre havia sonhado com novidades para a Morgan Modas, mas nunca pôde colocar suas ideias a mostra. Naquela reunião teve a falsa esperança de que mudaria as coisas, mas terminou frustrado.

[Dias mais tarde]
<<Estados Unidos>>
Renata encontrou em Jéssica além de uma profissional uma grande amiga. Embora poucos dias houvessem passado ambas já estavam muito próximas, compartilhando até mesmo segredos.
Era a última noite das mulheres em New York, no dia seguinte partiriam ao Brasil, a data de inauguração da Button Modas estava cada vez mais próxima. Para se despedirem do lugar as duas amigas foram a um dos restaurantes mais badalados da estilosa cidade.
— Será nada fácil comandar tantas filiais pelo mundo, não acha? — a modelo já saboreava a sobremesa, um petit gateau delicioso.
— Tenho muitos representantes mundo a fora, tudo está sob controle — a estilista preferiu a torta de limão, muito bem preparada e saborosa à beça.
— Até agora não consigo acreditar que vou trabalhar com você. Não quero puxar o saco, mas desde quando comecei a acompanhá-la admiro o seu trabalho, sempre inovando.
— Inovar é o quem mantêm os negócios.
— A Verônica não pensa assim, parece que parou no tempo.
— Já que entramos nesse assunto me fale um pouco dessa mulher, o que você acha dela?
Jéssica pensou um pouco, pôde escutar o fundo musical que tocava alguma melodia clássica que ela não conseguiu identificar, as palavras vieram:
— Ela é uma excelente profissional — não poderia ser ingrata com alguém que bem ou mal a ajudou a construir uma carreira sólida —, mas uma pessoa muito materialista. Ao saber do meu problema tratou em me substituir enquanto poderia me ajudar, nessa hora vi que éramos amigas, ela me tinha apenas como fonte de lucro.
— Como sempre gananciosa — a mulher pensou alto.
— Como sempre? Conhece-a?
Renata tentou disfarçar, mas em vão. Tudo o que havia acontecido no passado ainda a afligia muito, o que ela mais queria era desabafar com alguém, talvez aquele fosse o momento.
— Posso confiar em você?
— Claro, gosto de você de verdade.
— Essa mulher conseguiu tudo o que tem matando — a revelação era espantosa —. A Morgan Modas na verdade é minha, ela a arrancou dos meus pais os matando perante os meus olhos — o semblante da estilista caiu.
Ao escutar aquilo Jéssica sentiu-se como se tivesse levado um choque, ela nunca poderia imaginar aquela história.
— Ela é minha tia e acabou com a minha vida, com os meus sonhos. Precisei andar como uma foragida para não ser morta, mas a sorte me acompanhou e hoje estou aqui pronta para me vingar do passado.
— Então é por isso que vai ao Brasil?
— Vou deixar essa mulher na miséria e recuperar o que é meu, ela não ficará impune!

<<Brasil>>
Letícia, Jonas e Verônica estavam jantando na mansão da senhora Morgan quando a estilista fez sua provocação ao filho:
— Tem que inovar, Jonas, sair da mesmice. Case-se com essa garota linda e mostre sua inovação.
— Namorar é muito bom, sabia? — o rapaz retrucou —. Para que casar?
— Para consumar o amor? — Letícia respondeu com uma pergunta repousando sua mão no rosto do namorado —. Se me amasse do modo como fala não me recusaria dar o melhor presente do mundo.
— Eu acho que não preciso provar nada, será que tudo o que faço por você já não é suficiente?
— Jonas, não foi isso o que ela quis dizer — Verônica interveio —. Casamento é o sonho de todas as moças e quando o amado delas as propõem algo tão significativo como isso seus corações explodem de felicidade.
— Eu te amo muito, de uma maneira que ninguém amará. Por isso quero me casar com você, mostrar ao mundo todo o quê significa para mim.
Olhando no profundo dos olhos da namorada Jonas respondeu:
— Noivamos em um mês — não era o que ele queria.
— É assim que se fala, meu garoto — a estilista comemorou —. Vou ao meu quarto, fiquem a vontade.
A fim de descansar Verônica entrou em sua banheira enquanto checava as notificações do celular até encontrar uma notícia que revelava quem seria a top model da concorrência. O que a estilista descobriu não lhe agradou muito.

— Jéssica Buarque... traidora! — seus olhos demonstravam a sua raiva.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
No próximo capítulo:

A estilista sentiu o seu coração quebrantar-se. Durante todos aqueles anos não teve um dia se quer que ela não se lembrasse daquele homem e sonhasse com o dia em que se encontrariam. Saber do que havia acontecido era como uma tempestade que ofuscava suas esperanças.
— Como isso aconteceu? — a mulher tinha os olhos lacrimejantes.
— Eu era pequeno ainda, alguns homens apareceram aqui invadindo o quiosque e a nossa casa. Deixaram o meu pai na mira da arma e o mandaram se render. Antes de levarem-no deixaram um bilhete para alguém desconhecido, um alguém que poderá trazê-lo de volta. Aquela foi a pior noite da minha vida.

De segunda à sexta, às 19h30!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Amar é mudar a alma de casa"

A Brevidade da Vida

Aflições na Alma

Flores aos mortos

Que a gente saiba florir, onde a vida nos plantar!