[WebSérie] Sombras do Passado - Capítulo 10



Provocações


“Provocação é uma arma poderosa, capaz de irar até mesmo o mais calmo coração, quanto mais um coração perverso...”

Verônica estava em seu escritório analisando as últimas fotos de Letícia quando a modelo ali entrou, tendo uma notícia que poderia não ser tão boa.
— Espero que não seja pedido de amadores a fim de trabalharem comigo, não estou em um bom dia — a estilista reclamou.
— Garanto que é algo mais perturbador. Renata lhe enviou um convite, faz questão da sua presença no dia da inauguração da Button Modas — a moça estendeu um cartão bem decorado.
— Com assento vip — a mulher riu ao ler o que continha —. Essa amadora está com a  intenção de me provocar?
— Talvez queira mostrar que não nos vê como concorrentes, quem sabe esteja a fim de firmar uma parceria?
Gargalhando Verônica ironizou:
— Sua ingenuidade me diverte perante tantos problemas.
— Ingenuidade? Nem todo mundo é ruim, nem todo mundo quer passar por cima dos outros. Com essa atitude ela me parece estar disposta a competir de forma saudável.
— Está muito admirada por essa iniciante, vou começar a achar que queira se juntar a ela, mas sabe que não terminará bem.
Tentando entender o que ouvira Letícia quis terminar o assunto:
— Preciso dar a resposta, irá ou não?
— É claro que sim — a estilista foi até a enorme janela de sua sala e apreciando a vista urbana terminou com um discreto sorriso: — Estarei lá para aplaudir em pé o fracasso.

*

Era a véspera da aguardada inauguração, seria também um novo começo na vida de Jéssica: sua volta às passarelas. Querendo respirar ares novos ou até mesmo encontrar alguém em quem pudesse confiar o seu coração, a modelo passeou pelas ruas da capital paulista observando os tantos monumentos históricos e a constante modernidade em cada canto da cidade.
O que ela não vira era que estavam atentos aos seus passos, procuravam o momento certo para lhe abordarem, precisavam de só mais um pouco da sua distração. O que não demorou muito.
— Caladinha ou arrebento os seus rins — um criminoso prensou o revólver, escondido por baixo da camisa, contra a cintura de Jéssica —. Sem fazer gracinha entre no carro, ou disparo.
Nunca em toda a sua vida a modelo se viu naquela situação, nem mesmo quando sua fama era ainda maior. Receosa em perder a vida a mulher obedeceu ao mandato, sua mente aflita tentava imaginar o que poderia acontecer.

— Sabe por que isso? — o homem amarrou as mãos de Jéssica bruscamente enquanto proferia suas palavras —. Esse é o preço que se paga por provocações.
— Por favor, não faça nada comigo — a modelo apenas chorava e fazia súplicas, em momento algum pensou em reagir —. Tenho um desfile amanhã, não posso perder a melhor oportunidade da minha vida!
— Fique sossegada, nada irá dar errado para você, basta seguir o protocolo — a voz daquele homem possuía um tom de deboche.
— O que quer comigo?
— Chega de perguntas e vamos logo ao maravilhoso hotel que a aguarda — o criminoso descobriu seu rosto, será Egídio, o parceiro de Verônica.
O carro percorria as ruas em alta velocidade, aquele homem parecia ter pressa.
Pelo vidro Jéssica viu que adentraram um lugar abandonado, cheio de mato ao redor. Poucos minutos após estarem naquelas estradas de terra a modelo avistou uma casa mal acabada, necessitada de reforma, era a que a senhora Morgan usava para as suas reuniões.

— Pronto, entregue — o criminoso soltou as mãos de sua prisioneira jogando-a dentro de um quarto.
— Por favor, não me deixe aqui, é amanhã o meu compromisso! — ela suplicou de joelhos.
— Pare de dramas, até parece que não conseguirá um novo trabalho, tem aparência para isso.
— Não quando uma de suas patroas mancha o seu nome por aí — aquela era a verdade por trás da falta de interesse dos demais profissionais pelo seu trabalho.
— Quanta maldade — Egídio riu divertido —. Mas lamento, estou aqui para cumprir ordens e a sua prisão é uma delas.
— Não entendo o porquê. Quem está por trás disso?
— O simples fato de você ser uma traidora responde tudo — Verônica apareceu por trás do homem e lhe pediu para que a deixasse a sós com a modelo.
— Então é você — Jéssica teve sua mente clareada.
— Na verdade não. A culpada mesmo é a sua nova chefe que me mandou um convite para prestigiá-la amanhã, o que não passa de um enorme desaforo.
— Quando vai me soltar?
— Vejo que continua a mesma sonsa de antes... É óbvio que só depois da inauguração, sei que o desfile será protagonizado por você e que se não estiver lá o resultado será vergonha e até mesmo um fracasso. Estarei prestigiando a tão rápida derrota, o que sempre prestigiei em relação a todos os concorrentes que tive.
— Continua com o mesmo egoísmo que a transforma em alguém fútil. No mercado tem espaço pata todos, quando verá isso?
— Eu não quero dividir o poder, é tão difícil entender? Poderíamos ter sido tão felizes juntas, você ainda poderia estar me dando muito lucro, mas não, preferiu ficar doente... Acha mesmo que conseguirá retornar ao sucesso? Acha mesmo que as pessoas seguirão o que uma doente usa? Acha mesmo que Renata a tem como uma ajuda? Ela é como eu, ela é egoísta!
— O que quer dizer?
— Está usando-a. Você foi a melhor modelo que esse país já teve, seu sucesso foi tão fenomenal que em pouquíssimo tempo sua ascensão tomou grandes proporções e é claro que a Renata viu tudo isso, é claro que ela gostaria de tê-la em seu casting. Confesso que foi uma boa jogada, mas insuficiente. Você não é mais aquela garota, tornou-se uma amadora.
— Assim que eu sair daqui a cadeia será o seu fim! — a modelo disse com total verdade nos olhos, seu coração começava a se contagiar com o desejo por vingança.
— Ameaças? Devia ter ficado calada — Verônica usou provocação em sua voz.
— É o que você merece, a cadeia!
— Adeus, querida — a estilista já estava próxima à porta quando teve seus passos interrompidos pela fala da moça.
— Comece a se acostumar com a idéia de ver o sol nascer quadrado.
— Querida, você não vai sair daqui — Verônica de sua piscadela —, não viva — trancou a porta. Começava ali a execução do seu plano.
Por diversas vezes Jéssica tentou derrubar a porta ou arrombar a janela, mas todas as suas tentativas acabaram frustradas. Desesperançosa a modelo sentou-se no chão, apoiando a cabeça nos joelhos deixou que a aflição apertasse seu peito ainda mais. Era o fim de um sonho.

[03 de outubro de 2016]
— Acorda e coma de uma vez isso aqui! — logo pela manhã Egídio entrou no quarto da prisioneira, mas assustou-se ao ver a cama destruída e não notar nem os rastros da modelo.
Usando todas as suas forças Jéssica agrediu seu opressor pelas costas com um dos destroços da cama. Certificando-se de que o homem apenas desmaiara a mulher respirou aliviada, sem tardar deu início à sua fuga.

*

Renata já se encontrava no local em que aconteceria o tão importante evento. A cada convidado que chegava seu coração pulsava mais forte, o motivo era o repentino sumiço de sua top model, peça fundamental do dia.

Depois de tantos anos a estilista estava frente a frente com o olhar de sua tia, a pessoa que lhe causou tanto sofrimento, tantas dores.
— Então é você a tão famosa Renata Button? — perante os tantos flashes das câmeras de diferentes jornalistas Verônica esbanjava simpatia.
— E você a imbatível Verônica Morgan — a mais nova estendeu a mão para a sua inimiga.
— Imbatível é a palavra certa, é o adjetivo que me define... Aperto de mãos? Sejamos mais calorosas — a veterana estilista beijou a face de sua concorrente, seus olhos eram claros ao mostrar a enorme falsidade —. Confesso que me surpreendi com o convite.
— Apenas quero que conheça a verdadeira moda — Renata tinha a provocação no olhar.
— Sinto que aqui estou para rir da piada que a sua passagem por aqui irá representar... Deixe-me sentar, quero ver de perto a vergonha alheia.
O contato com a tia deixou a estilista nervosa. As lágrimas rancorosas  molhavam o seu rosto, o escape que teve para esconder um momento de fraqueza foi refugiar-se no banheiro.

Já havia se passado quinze minutos do horário marcado para o início da festa e Renata não tinha se quer uma noticia da amiga, já acreditava que havia sido largada à própria sorte. Seus convidados ficavam impacientes e os críticos começavam a lançar em suas redes sociais suas reclamações. O melhor seria cancelar aquilo e torcer para que a imagem da empresa não ficasse manchada.
Acompanhando os passos da sobrinha Verônica se contentou ainda mais ao vê-l subir à passarela com um semblante tenso, atordoado, a senhora Morgan já suspeitava qual seria a sala da concorrente.
— Meus amigos, peço desculpas pelo inconveniente, mas infelizmente iremos remarcar a data.
Um alvoroço tomou conta do local, mas foi silenciado pela figura de uma mulher que chamou a atenção de todos pelo vestido que usava, um vestido nunca visto antes.
— Inconveniente? A festa começa agora! — era Jéssica.


Continua...

~~~~~~~~
No próximo capítulo:

O casal se separou deixando claro quem era quem. A senhora Morgan não conseguia acreditar em quem era a namorada do seu filho, tudo parecia estar dando errado em seus planos.

De segunda à sexta, às 19h30!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Amar é mudar a alma de casa"

A Brevidade da Vida

Aflições na Alma

Flores aos mortos

Que a gente saiba florir, onde a vida nos plantar!