[WebSérie] Sombras do Passado - Capítulo 13



Sem Saída


“Acabamos nos entregando tanto a determinadas situações que chegamos ao ponto de não termos saída, apenas devemos aceitar as consequências, mesmo que isso signifique assistir a dor de inocentes”.

Renata não conseguia acreditar no que assistia. Se em algum momento conseguiu confiar em alguém agora seu coração se fechava novamente, sua consciência a acusava de ter cometido um grave erro.
Afastando-se de Letícia, Jonas encontrou o olhar de decepção no rosto de Renata. Um desespero tomou conta do rapaz que sabia das desconfianças da mulher, sabia que ela não se entregaria tão facilmente, já imaginava o tamanho do problema que enfrentaria.
— Não é isso que você está pensando, eu posso explicar, mas você precisa deixar — Jonas tentou.
— Nenhuma desculpinha que você inventar pode mudar o que eu vi — Renata dizia com raiva, com nojo —. Pode continuar com a diversão, prometo nunca mais o atrapalhar.
Uma correria tomou conta do lugar. Quanto mais sentia a aproximação do rapaz, mais a moça apertava os passos, tudo o que mais queria naquele momento era se livrar daquele que pensava amar. Com o calor das circunstâncias Renata teve seus olhos cegados, apenas procurava seu carro estacionado na avenida da Morgan Modas; tamanha distração provocou o seu acidente, um assustador acidente.
— NÃO! — o estridente grito de Jonas mostrou a dor que sentira ao assistir a cena.

— Ótimo trabalho — observando todos os fatos da janela de sua sala, Verônica parabenizou sua top model —. Nunca poderia imaginar que ele desse tão certo assim!
— Não consigo acreditar no que eu fiz — vendo a gravidade do problema Letícia foi tomada por um sufocante arrependimento, lágrimas corriam de seus olhos.
— Você confirmou o seu passaporte para o sucesso, apenas isso... Sabe que odeio gente fraca, não sabe? Engula o choro, nada disso é culpa sua.
— Como não?! Beijei o namorado dela na sua frente, como pode não ser culpa minha?
— A culpa não é sua! — irritada, a estilista apertou a garota nos braços e disse pausadamente, encarando profundamente os olhos da jovem —. E você me fará mais um favorzinho...
— Pelo amor a tudo que ama, não quero causar dor em ninguém...
— Eu não amo — a mulher riu medonhamente —. Dessa vez prometo que será mais fácil o seu serviçinho. Quero que volte para minha casa, preciso uni-la ao meu filho.
— Consegue ver o ridículo dessa decisão? Seu filho nunca mais olhará nos meus olhos. Sinto muito, mais não posso aceitar.
— Quer assistir ao naufrágio da sua carreira? — os olhos de Verônica transmitiam as mais puras ameaças.
— Não — a modelo respondeu receosamente.
Levando a boca ao pé do ouvido de Letícia a estilista terminou com seu melhor tom intimidador:
— Então está sem saída...

*

A cada segundo que passava Jonas se angustiava com a demora do resgate, ver a mulher que despertou algo diferente dentro de si naquela situação, desfalecida em seus braços, era como um açoite em na alma.
Finalmente a equipe médica chegou realizando os procedimentos-padrão. Um dos enfermeiros perguntou ao consultor:
— O que é dela?
O rapaz não sabia o responder, imaginava que quando a estilista acordasse iria rejeitá-lo com todas as forças, mas a vontade de cuidar daquele que significava muito para o seu coração falou mais alto:
— Namorado... Nós somos namorados!
— Ótimo. Venha conosco.

Com a ansiedade o consumindo Jonas aguardava na recepção do hospital alguma notícia de Renata, mas em nenhum momento alguém o informou do que estaria acontecendo. Já mo final da tarde Jéssica apareceu no local.
— O que houve? — a modelo indagou.
— Eu juro, eu juro que não a traí — como um menino desesperado por consolo o rapaz chorava, seus olhos inchados não alcançavam um objetivo, não paravam se quer um segundo —. Ela entrou em minha sala e viu um beijo desgraçado que roubaram de mim, mas eu juro que foi sem sentimento, sem vontade, foi certeiro em arruinar a minha vida! Eu juro que a amo, a amo como nunca amei alguém!
— Você precisa se acalmar — Jéssica estendeu um copo d’água —. Tanto nervosismo não resolverá nada.
— Acredite em mim, por favor — o triste olhar de Jonas encarou a mulher.
Sentindo que as palavras do rapaz eram sinceras a modelo respondeu:
— Eu acredito e prometo lhe ajudar com a minha amiga, vejo o quão bom é esse relacionamento para ela... Mas agora vamos atrair positividade, só assim tudo ficará bem.
Alguns minutos depois o médico responsável por Renata trouxe as aguardadas notícias.
— Lamento informar, porém precisamos de transparência. A pancada na cabeça da paciente foi muito forte, gerando consequências graves. Nesse momento ela se encontra desacordada, não sabemos quanto voltará, mas acreditamos que possíveis seqüelas poderão ser visíveis.
— O que quer dizer? — Jéssica preocupou-se.
— Mudança de personalidade ou até mesmo perda de memória são consequências muito prováveis.
O temor aumentou no peito de Jonas, desesperanças tomavam o seu ser.

*

— É tão bom quando as coisas saem conforme eu quero — Verônica jantava como se a sua vida estivesse na melhor fase.
— Como a desgraça de alguém pode lhe agradar? — Letícia desacreditava no que ouvia.
— Não se trata de qualquer pé-rapado, trata-se de Renata Button que além de concorrente é uma intrusa disposta a roubar de mim o meu filho.
— Trata o seu filho como se ainda fosse um bebê. Apenas acho que está na hora de praticar o desapego.
— Você não está aqui para achar nada, está aqui para seduzir o rapaz e prendê-lo a uma linda garota, com a qual eu tenho um ótimo relacionamento.
Transtornado com o que acontecia Jonas voltou para casa, passando pela mesa do jantar sem dizer palavra alguma com ninguém. Incomodada, Verônica interrompeu os passos do consultor.
— O que houve? Junte-se a nós.
Aproximando-se da mãe o rapaz respondeu:
— Não que a interesse, mas a minha namorada está internada em estado grave. Peço que não me incomode.
— Nem imagina o quão triste estou — a estilista ironizou —. Não vai cumprimentar nossa visita?
— Por sua causa a mulher da minha vida está em uma situação crítica, correndo o risco de se esquecer até mesmo do próprio nome ou, então, partir desse mundo — Jonas encarou Letícia, deixava a mostra todo o seu abatimento —. Se pensou que me reconquistaria com aquele beijo estava enganada, a única coisa que vai conseguir é o meu desprezo, o meu nojo por alguém capaz de arruinar os sonhos dos outros, o meu ódio!
Sem dar espaço a discussões o rapaz subiu ao seu quarto. Sentindo-se ainda mais arrependida a modelo abaixou a cabeça para que Verônica não visse suas lágrimas.
— Seja forte — a estilista percebeu o abatimento de sua aliada e pegando em sua mãe resolveu “confortá-la”: — Ao menos nossa rival parece estar saindo do caminho sem precisarmos de medidas mais fervorosas, se é que me entende... — em seu rosto o contentamento pela ruína de alguém era notório.

Pesadelos são sonhos agressores, que nos afligem friamente. Alguns são tão profundos que remontam a realidade, acordamos decididos a mudar alguma coisa para que eles não saiam de nossa imaginação, que fiquem presos em um mundo que não existe.
Sem saída Letícia precisou obedecer a ordem daquela que a controlava, porém o tamanho da gravidade de tal ato proporcionou à modelo sonhos terríveis, sonhos que a despertaram no meio da noite, com uma enorme vontade de sair daquele quarto.
Enquanto bebia um pouco de água a jovem escutou algum barulho vindo dos fundos da cozinha, um som que despertou sua curiosidade. Cautelosa, a mulher foi ao lado de fora da casa encontrando Verônica abrindo uma porta secreta, uma passagem camuflada pelas gramas do jardim.
Durante todo o tempo em que morou naquela mansão junto ao ex-namorado, Letícia nunca soubera da existência daquela passagem que pelo modo construído revelava a intenção de seu criador em mantê-la secreta. Curiosa, a modelo resolveu abrir a estranha porta e encontrou uma larga escada. Descendo cada degrau com o máximo de cuidado possível a jovem se deixava guiar pelo som que os passos de Verônica transmitiam, o lugar parecia um verdadeiro labirinto, repleto de entradas misteriosas.

— Raul, boa noite! — a estilista jogou seu prisioneiro ao chão apenas puxando-o pelos cabelos —. Sentiu a minha falta?
— Deixou-me sem comer... Dois dias seguidos... — o homem estava fraco, sua voz mostrava isso.
— Agradeça aos céus por eu ter me lembrado de você — a ardilosa mulher jogou o que levara ao chão —. Coma, meu cachorro, coma... — sua gargalhada de satisfação arrepiava Letícia que via tudo de longe, escondida pela escuridão.
— Não cansa de tanta maldade? Sinto pena da sua alma quando ela for cobrada.
— Não sinta, talvez ela fique mais a vontade onde impera o fogo — Verônica o chutou sem piedade alguma –. Vim lhe informar que minha paciência está se acabando, estou me convencendo de que aquela insolente não virá salvá-lo, pode já estar morta. Vou matá-lo em poucos dias — a frieza com que as palavras saíam da estilista causava ainda mais pasmos na modelo que se atentava a cada detalhe.
— É o que faz de melhor — por conta do chute que levara um filete se sangue escorria da boca de Raul.
— Eu sei — Verônica orgulhou-se —. Mas antes preciso revelar uma coisa — a mulher se agachou —. Matei sua mulher quando ela já havia dado a luz, seu filho não morreu como sempre pensou... Eu roubei o seu filho. Raul, ele é o Jonas!


Continua...
~~~~~~~~~
No próximo capítulo:

— É ela! — Renata insistiu.
— Alucinações? — Verônica estranhou, não era ingênua —. Ela me parece bem lúcida — era o momento perfeito para descobrir o que queria —. Já me conhece, querida?

De segunda à sexta, às 19h30!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Amar é mudar a alma de casa"

A Brevidade da Vida

Aflições na Alma

Flores aos mortos

[Conto] Eternizados Pelo Amor